• menu1
22/02/2018 11h19 - Atualizado em 22/02/2018 11h19
APOIO FADESP: Inaugurado o Centro de Estudos Avançados em Biodiversidade da Região Norte.
Da Redação
Portal FADESP
A-A+ Tamanho da Letra
Ampliar imagem
APOIO FADESP: Inaugurado o Centro de Estudos Avançados em Biodiversidade da Região Norte.
Ampliar imagem
Fachada do prédio do CEABio que fica no PCT Guamá, em Belém.
Ampliar imagem
Vice-reitor da UFPA, professor Gilmar Pereira: é uma responsabilidade grande fazer com que as pessoas nos vejam como estratégicos para a Amazônia.
Ampliar imagem
Mesa de abertura da cerimônia de inauguração realizada dia 21 de fevereiro.
Ampliar imagem
Coordenador do projeto CEABio e professor da UFPA, Julio Pieczarka: a ideia é trabalharmos em conjunto. Queremos criar sinergia.
Ampliar imagem
Diretor da FADESP (ao centro), professor Fernando Neves: a FADESP tem muito a oferecer indicando as pontes entre universidade e setor produtivo.
Ampliar imagem
Equipe da FADESP acompanhada do diretor, do coordenador do projeto e de representantes do BNDES.
Ampliar imagem
Sala para as atividades de pesquisa.
Ampliar imagem
Sala para as atividades de pesquisa.
Ampliar imagem
Sala para as atividades de pesquisa.

O Parque de Ciência e Tecnologia do Guamá (PCT Guamá) agora abriga o Centro de Estudos Avançados em Biodiversidade da Região Norte (CEABio). O espaço implantado com o apoio da FADESP fortalecerá as pesquisas desenvolvidas por nove programas da Universidade Federal do Pará (UFPA) para que se avance na produção de conhecimento e tecnologia de preservação.

As linhas de pesquisa que terão espaço reservado estudam a sistemática de vertebrados, a ecologia de florestas tropicais e bioprospecção de espécies vegetais com potencial para fármacos; a propagação de espécies lenhosas nativas da Amazônia; a etnofarmácia; a fitoquímica de derivados de espécies vegetais de uso medicinal; a citogenética da biodiversidade amazônica; a genética molecular da biodiversidade e a cultura celular.

Estudam, ainda, a mutagênese ambiental _com realização de testes com extratos vegetais com potencial para fármacos; o processo reprodutivo de biomarcadores; a epidemiologia genética aplicada e metodologias de alerta para contaminação ecotoxicológica; a mutagênese ambiental utilizando metodologias de avaliação molecular ou teste cometa e micronúcleos; a biologia aquática (plâncton); a educação ambiental e a interação patógeno-hospedeiro.

O coordenador do projeto de implantação do centro, professor Julio Cesar Pieczarka, explica que diversas pesquisas já são realizadas na UFPA, mas a expectativa é que o centro promova avanços porque os laboratórios foram expandidos e a conexão entre essas linhas será fortalecida com a aproximação física de pesquisadores. "A ideia é trabalharmos em conjunto. Queremos criar sinergia. Sentarmos para discutir as técnicas", diz.

Professor da UFPA e doutor em Biologia Celular e Molecular, Pieczarka explica que ali serão realizadas pesquisas de base e aplicadas. Haverá um esforço para que o Centro contribua para a formação dos alunos com foco no mercado e, nesse aspecto, o PCT Guamá terá papel importante porque identificará a demanda empresarial.

O titular da Secretaria de Ciência, Tecnologia e Educação Profissional e Tecnológica (SECTET), Alex Fiúza de Melo, considera o CEABio importante para o Estado do Pará porque representa um passo adiante na criação de empresas que utilizem o conhecimento para explorar, mas também sustentar a biodiversidade.

"Os fármacos podem gerar milhões em royalties, patentes, mas para isso é preciso ter a floresta em pé. Precisamos gerar conhecimento", destacou o secretário após fazer um breve histórico sobre a evolução da qualificação da pesquisa produzida na UFPA através da titulação acadêmica.

A pró-reitora de Relações Internacionais da UFPA, Iracilda Sampaio, reforçou que no CEABio estarão reunidos grupos de excelência em Biologia e biodiversidade. Ela fez um chamado para que a nova geração de pesquisadores faça pesquisa capaz de mudar a vida da sociedade.

O diretor da FADESP, professor Fernando Arthur Neves, destacou que a Fundação "tem sido uma ferramenta relevante para que os grupos de pesquisa possam instituir um conjunto de novas práticas na formação de pessoal qualificado, tanto quanto na geração de produtos".

"Particularmente em relação ao CEABio, estamos vendo o nascimento de uma universidade que compartilha a ciência básica com as possibilidades de empreendedorismo. A FADESP tem muito a oferecer nesse novo desenho indicando as pontes entre universidade e setor produtivo", completou.

Para o vice-reitor, professor Gilmar Pereira da Silva, "pensar essa perspectiva da biodiversidade numa universidade como a nossa é fundamental. É uma responsabilidade grande fazer com que as pessoas nos vejam e, mais, nos vejam como estratégicos para a Amazônia. Na nossa perspectiva de inovação, precisamos enxergar a importância das coisas".

Investimento - O CEABio ocupa uma área de 2 mil metros quadrados e foi construído no Parque de Ciência e Tecnologia do Guamá (PCT Guamá). Os recursos investidos _R$ 656 mil da UFPA e R$ 3,3 milhões do Fundo Amazônia/BNDES_ foram gerenciados pela FADESP.