• menu1
28/01/2016 13h57 - Atualizado em 28/01/2016 13h57
Edição do Boletim de Ciências Humanas do Museu Goeldi traz dossiê sobre trabalho de Eidorfe Moreira.
Da Redação
Portal FADESP
A-A+ Tamanho da Letra
Ampliar imagem
Edição do Boletim de Ciências Humanas do Museu Goeldi traz dossiê sobre trabalho de Eidorfe Moreira.
Ampliar imagem
Eidorfe Moreira

Como as águas que unem as ilhas ao redor da cidade de Belém, o legado intelectual deEidorfe Moreira (1912-1989) se espraia por muitos domínios. Conhecido por suas reflexões sobre as paisagens e a região amazônica, com destaque para Belém, o trabalho de Eidorfe é tema de um dossiê na edição atual do Boletim de Ciências Humanas do Museu Paraense Emílio Goeldi.

De acordo com o editor científico do periódico, Hein van de Voort, Eidorfe "foi um dos maiores intelectuais paraenses do século XX, com uma vasta e diversa produção bibliográfica, desde artigos e ensaios na imprensa diária até obras literárias e científicas, tratando de uma grande variedade de temas, incluindo geografia antrópica, planejamento, economia, política, direito, filosofia, literatura, com enfoque na Amazônia".

Eidorfe chegou a Belém com menos de 2 anos de idade, vindo da Paraíba. Na cidade, formou-se em direito em 1938 e foi professor de Economia Política. De acordo com a organizadora do dossiê sobre o autor,Maria Stella Guimarães, Eidorfe Moreira "escolheua Amazônia como convergência maior de suas reflexões, escrevendo livros e artigos em Belém, onde exerceu o magistério, tanto em colégios da cidade como na Universidade Federal do Pará (UFPA)".

Geógrafo da Amazônia - O dossiêevidencia, por exemplo, a forte influência regionalista do autor e suas preocupações com o planejamento estatal para a Amazônia nos anos 1950, como conferimos no artigo de Antônio de Oliveira Junior. Apresenta também, no ensaio de Gutemberg Guerra, a visão integradora de Eidorfe Moreira sobre as ilhas que compõem o território de Belém, ainda hoje uma grande contribuição para quem pensa a administração da cidade.

O Círio de Nazaré é outro objeto do pensamento de Eidorfe Moreira, discutido no ensaio de Ivone Almeida, que investiga o olhar do autor em seus diálogos entre a geografia humana e a sociologia para explicar a paisagem da festa e o envolvimento das pessoas com a celebração. O quarto e último ensaio do dossiê interpreta o olhar do filósofo Benedito Nunes (1929-2011) sobre o geógrafo Eidorfe Moreira. Maria Stella Guimarães analisa as referências que Nunes faz a Moreira em algumas de suas obras, especialmente por conta do interesse mútuo de ambos por múltiplas áreas do conhecimento.

O Boletim - Além do dossiê, outros 8 artigos tratam de assuntos dentro de disciplinas como arqueologia, linguística, antropologia, sociologia, economia, museologia e educação. O leitor encontrará um artigosobre a resistência popular contra agentrificação da orla de Belém, outro sobre a comercialização de artesanato indígena no Pará e no Maranhão, e outro sobre o contexto socioeconômico da pesca de caranguejo-uçá em uma Reserva Extrativista do Pará.

Poderá ler também os resultados de uma análise sobre o contexto socioeconômico e a saúde das pessoas envolvidas na pesca de sururu na Lagoa Mundaú em Alagoas, aprimeira documentação de gravuras rupestres em um sítio arqueológico na província de Misiones (Argentina) e um estudosobre a acessibilidade em um museu de artes no Chile.

Há ainda uma pesquisa linguística sobre um dicionário jesuítico (Português - Língua Geral) do século XVIII. O último artigo deste número traz uma investigação históricado pensamento na virada do século XIX, que pretendia transformar o indígena culturalmente e incluí-lo na "civilização" para, a longo prazo, acabar com sua identidade indígena diferenciada.

O Boletim de Ciências Humanas – O Boletim do Museu Paraense Emilio Goeldi - Ciências Humanas existe há 121 anos e faz parte da história da ciência no Brasil. O Boletim é originário do antigo "Boletim do Museu Paraense de História Natural e Etnographia", criado em 1894, pelo então diretor do Museu, o zoólogo suíço Emilio Goeldi. O periódico adquiriu notoriedade internacional por divulgar informações científicas sobre a Amazônia em quantidade e qualidade sem precedentes. Em 2006, o periódico adotou seu formato atual com a divisão em Ciências Naturais e Ciências Humanas, com publicação quadrimestral para cada um. Pode ser acessado gratuitamente aqui.

Texto : Uriel Pinho (REPRODUÇÃO DA AGÊNCIA MUSEU GOELDI)