• menu1
02/12/2014 1h10 - Atualizado em 02/12/2014 1h10
Seminário Literatura e Cinema de Resistência: a relação Ditadura X mortes de índios. Apoio PAEV.
Da Redação
Portal FADESP
A-A+ Tamanho da Letra
Ampliar imagem
O professor Idelber Avelar (Tulane University-EUA) apresentou dados sobre a ocupação da Amazônia como parte do projeto militar que culminou com a Ditadura brasileira. Ele destacou que os assassinat...
Ampliar imagem
Seminário Literatura e Cinema de Resistência: a relação Ditadura X mortes de índios. Apoio PAEV.

Palestrante da conferência de abertura do IV Seminário Nacional de Literatura e Cinema de Resistência, evento apoiado pela FADESP, através do PAEV, o professor Idelber Avelar (Tulane University-EUA) destacou que a relação da Ditadura brasileira com o massacre de índios continua ignorada pelo poder público. Não fosse isso, o número de mortos com reconhecida autoria militar já seria pelo menos seis vezes maior.
Na conferência "Dissilenciando os Golpes", o professor discorreu sobre "A Amazônia e a Ditadura, Ontem e Hoje". Ele observou que a ocupação executada pelos militares visava a produção energética, sob a alegação de que a região precisava ser incorporada ao resto do país.
E para promover essa ocupação, foram realizados massacres indígenas como o dos Waimiri-Atroari, durante a construção da rodovia 174, ligando Manaus (AM) a Boa Vista (RR). Como prova da relação entre a Ditadura e o extermínio, o professor cita relatos como o contido em livro de José Porfírio (que foi coordenador da Funai).
Em 1988, destaca, o funcionário da fundação de apoio ao índio relata que eram utilizadas granadas e outras armas para demonstrar força e, assim, "assustar os índios". Em memorial do Exército, continuou, há treze ações recomendadas para afugentar os indígenas, entre as quais rajadas de metralhadora.
O professor citou, ainda, entrevista com Sebastião Amâncio (ex delegado da Funai) publicada em O Globo, em 1975. O funcionário público contou que granadas foram explodidas até que os Waimiri se convenceram que os agentes tinham mais força que eles.
"É espantoso um alto funcionário público conceder entrevista confessando a preparação de um genocídio!", comentou o professor ao considerar que essa desenvoltura estava relacionada ao tratamento diferenciado dado à repressão indígena, não vista, à época, como parte da Ditadura.
Avelar observou também que essa dissociação, em que os índios nunca foram reconhecidos como prisioneiros políticos da Ditadura, leva ao não pagamento de indenização. Para ele, a tarefa de "memorializar" a perseguição ao indígena ainda é rara entre os pesquisadores. Os próprios índios é quem têm cumprido esse papel, mas de forma oral.
"Hoje, 357 é o número de mortes reconhecidas pelo Estado (em decorrência da Ditadura). Mas com o único massacre, dos Waimiri, esse número se multiplicaria por seis", reforçou.
Pró-reitor destaca importância dos debates
O pró-reitor Emannuel Tourinho participou da abertura do seminário e destacou a pertinência das discussões não só por incentivar a pesquisa, como por colocar o assunto em evidência nesse momento pós-eleitoral.
"Essa é uma oportunidade a mais para os alunos interagirem com a temática. O Brasil vive momento de reafirmação da sua democracia. É um momento importante pra discutir e reavivar a memória da resistência por uma sociedade democrática", disse.
A coordenadora do seminário, professora Tânia Pantoja, também ressaltou a importância do tema "por estarmos em momento de consolidação ainda maior do Estado de Direito" e período pós-eleitoral que demonstra que a instabilidade pode surgir a qualquer hora.

A programação completa pode ser conferida no site do evento ((www.http://selcir.wordpress.com/).

Eventos apoiados pelo PAEV.

Na Galeria de Imagens de nosso site, é possível conferir alguns dos momentos desse e de outros eventos apoiados pelo PAEV, programa desenvolvido pela FADESP em conjunto com a PROPESP/UFPA, que oferece a cobertura de despesas com aquisição de passagens aéreas nacionais, material de consumo e contratação de serviço terceirizado de pessoa jurídica em apoio a eventos locais, regionais e internacionais.
Na Página de Eventos, estão alguns dos eventos (com respectivos link para sites e programações) contemplados pelo PAEV neste segundo semestre de 2014.